A sensibilidade no olhar de Matilde Campilho no poema Veleiro!

A sessão Poesia no NA-NU traz pra você o poema Veleiro de Matilde Campilho. Vem conferir aqui no NA-NU!

Matilde Campilho é uma multi artista portuguesa, mundialmente conhecida por seu trabalho em literatura e poesia. Formada em Letras Modernas em Portgual, Matilde também estudou História da Arte em Florença, Itália. Há oito anos a poetisa vive entre Rio de Janeiro e Lisboa, trabalhando como jornalista e redatora, além de desenhar e escrever poemas. Publicou seu primeiro livro Jóquei em 2014. Sua poesia é de uma sensibilidade dilatada, como os momentos que escorrem pelas pontas dos dedos na intenção de guardá-los na memória.

Antonina, PR. Fotografia por: Luma Aplevicz © Todos os direitos reservados.

Veleiro

Bem: as palmeiras brilham mais que o ouro. Walter Benjamin tinha razão sobre os círculos — quanto mais se roda em volta do amor, mais o amor se expande. A filosofia é uma matemática muito esclarecedora e qualquer dia ainda vai salvar o mundo. Bem, quatrocentos anos depois e você & eu ainda somos uma espécie de Ferris Bueller’s Day Off. Ó, você viu os coros dos meninos na avenida? A alegria é um carro de bombeiros todo enfeitado de penas e cavalos bravos, atravessando tudo. A liberdade se faz inteira debaixo da palavra, entre um músico Tang e um jarro de Oaxaca. Os continentes se aproximam docemente e, como você me explicou, o selvagem europeu ainda vai soltar seu esplendor. Acredito muito naquilo que ninguém mais espera, principalmente depois que dei de caras com o dorso da baleia solitária. Todo canto tem um tom, e a maioria dos mamíferos se agrupam pelo reconhecimento de uma musicalidade comum. Sim, o fadista vai escolher o fadista, e as manadas de baleia costumam espalhar seu sopro de cerca de 20 hertz por oceanos infinitos. Em comunhão. Mas imagine você que em 1989 alguém descobriu uma baleia que canta solitária e a 52 hertz — sem primos, sem irmãos, sem melhor amigo, sem ilha onde fazer um pit stop. Ninguém vocaliza sua frequência, ouvido nenhum escuta seus 52 pontos. Há milagres. Depois do surgimento da baleia solitária, depois dos círculos de Benjamin, depois do desdobramento do poema XIX, depois do berlinde de Seymour Glass sendo girado no dedo do jogador de basquete, me diga, como não acreditar no brilho natural que diariamente resplandece no peito da terra? Bem, seu rosto de espanto frente ao sorvete de morango numa tarde de domingo é a manobra que puxa o lustro à pele do planeta. Benzinho, estamos invertendo a poesia de Eliot. Estamos curando o resfriado de Madame Sosostris, e esta coisa da alegria ainda vai dar muito certo. Seja como for, dê por onde der, seguimos usando o colar de pérolas que é feito dos olhos do marinheiro fenício. No que depender do amor, para além da paixão e para além do desejo: ninguém mais se afogará.

Matilde Campilho © Todos os direitos reservados.

Leia mais poesia aqui. 

Quer saber mais sobre Literatura? Clique aqui.

Lembrando que na Loja do NA-NU você encontra livros, revistas, quadrinhos, LP’s, CD’s, produtos exclusivos e muito mais. Confere lá!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *