O discurso de libertação animal presente em Star Wars – Os Últimos Jedi

(ALERTA DE SPOILER – pequenos spoilers para Star Wars – Os Últimos Jedi)
O NA-NU traz uma análise de como o mais novo filme da franquia Star Wars – Os Últimos Jedi, chama a atenção para a questão dos direitos animais.

Muito tem se discutido sobre o mais novo episódio da saga Star Wars, que estreou nos cinemas no dia 14 de dezembro de 2017. Porém talvez tenha passada despercebida pelos fãs e pela mídia a forte mensagem em prol dos direitos dos animais que o filme carrega. O NA-NU resolveu destacar como a trama de Star Wars – Os Últimos Jedi utiliza os porgs, os fathiers e as vultptex para discutir de maneira leve o consumo da carne, a utilização de animais para o esporte e o entretenimento e como uma boa relação com outras espécies podem trazer o aprendizado e o desenvolvimento.

Em Ahch-To, onde Luke e Rey passam grande parte do filme, nós conhecemos os porgs. Pequenas criaturas que parecem uma mistura de ave com roedor. Essa nova espécie gerou controvérsias antes mesmo do lançamento de Star Wars – Os Últimos Jedi. Muitos fãs ficaram receosos que os porgs fossem uma nova versão dos ewoks, de O Retorno de Jedi, e que só estariam no filme com o objetivo de serem fofinhos e vender brinquedos. Porém uma cena curta e cômica, envolvendo o veterano Chewbacca e alguns porgs apresenta de maneira leve, mas nada sutil a questão do consumo da carne. Enquanto Chewie está preparando um porg assado em uma fogueira, um grupo de porgs se aproximam e o encaram com expressões tristes. Reconhecendo o sofrimento das pequenas criaturas, Chewie não consegue mais comer sua carne. Pelo resto do filme, Chewbacca e os porgs aparecem como aliados e alguns até o seguem na Millennium Falcon.

Porg e sua inspiração, o papagaio do mar
Porgs – Estudos de Jake Lunt Davies
Porgs – Estudos de Jake Lunt Davies

Os porgs foram inspirados em uma espécie verdadeira, habitante da ilha de Skellig Michael na Irlanda onde as cenas de Ahch-To foram captadas; o papagaio do mar. Devido à grande população dos pequenos pássaros na locação era muito difícil evitar que eles aparecessem em cena. Portanto a solução foi criar um animal de proporções, cores e hábitos parecidos, mas condizente com as criaturas alienígenas do universo de Star Wars. O papagaio do mar é um animal protegido por leis de conservação, e não possui predadores naturais na ilha. Por isso, seu comportamento com visitantes é desprovido de medo, curioso e amistoso. O que inspirou a personalidade dos porgs.

Papagaio do mar

No planeta Cantônica, no complexo-cassino Canto Bight, entre várias atividades relacionadas ao jogo, à diversão e o luxo, vemos as corridas de fathiers, muito semelhantes às corridas de cavalo aqui da nossa galáxia. Finn e Rose encontram esses animais em seu cárcere, os animais são libertados e em sua fuga, causam grandes danos ao casino que os mantinham presos.

Fathier

Entre várias críticas à superficialidade, luxo e alienação humanas presentes nas cenas de Canto Bight, a trama com os fathiers apresenta o aprisionamento e a exploração da espécie nas corridas. Aqui na terra, apesar de muita discussão e luta, ainda existe toda uma cultura de exploração animal no esporte e no entretenimento, circos, parques e shows itinerantes.

Rose e os fathiers
Vultptex

Vultptex é uma espécie semelhante à raposa, presente no planeta Krayt, onde a resistência se abriga em uma antiga base rebelde. A aparência das criaturas, como se feitas de cristal ou sal, assim como a superfície do planeta, apresenta uma analogia para a unidade entre o ser vivo e seu ambiente. Quando os humanos e alienígenas da resistência se encontram cercados na caverna onde a base fica instalada, é observando e aprendendo com o comportamento dos Vultptex que o grupo encontra a saída alternativa.

Vultptex na entrada da base em Krayt

Star Wars – Os Últimos Jedi tem dividido opiniões entre fãs e críticos. Independente de críticas ou elogios ao filme, achamos legal destacar esse discurso presente na obra. Quando reconhecemos o sofrimento e respeitamos a existência de outra espécie, começamos a repensar nossa maneira de encarar este ser como alimento, ferramenta ou entretenimento. E convivendo, respeitando e observando o comportamento animal e sua relação com seu habitat pode inclusive nos ensinar muito e colaborar com nosso desenvolvimento como civilização e espécie.

Quer mais Star Wars? Sci-Fi? Fantasia? Continue, NA-NUZEANDO

 Lembrando que na Loja do NA-NU você encontra quadrinhos, filmes, livros LPs e produtos exclusivos.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *